BioTerra

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

As marés

Desde a época em que se formaram na Terra os primeiros mares, o nível da água sobe e desce duas vezes por dia. A força que faz subir a água é a atracção da gravidade exercida pela Lua e pelo Sol.


Quando a Lua se encontra na vertical de um ponto, a sua atracção soma-se à força centrífuga devida à rotação terrestre, causando um aumento da massa de água: a preia-mar ou maré alta. Do outro lado do planeta, pelo contrário, a força centrífuga prevalece sobre a atracção lunar, determinando outro aumento. Por conseguinte, nas posições intermédias, o nível da água baixa: é a baixa-mar.


Apesar da distância longínqua a que o Sol se encontra, este também intervêm na variação das marés. Quando os dois astros se encontram alinhados, as suas forças de atracção somam-se e a preia-mar atinge o seu nível máximo. Em contrapartida, quando eles formam um ângulo recto, a preia-mar atinge o seu nível mínimo. A preia-mar não se verifica no momento exacto da passagem da Lua, mas um pouco mais tarde, porque a água demora algum tempo antes de começar a deslocar-se. Além disso, dado o que a Lua nasce todos os dias 50 minutos mais tarde em relação ao dia anterior, também a preia-mar se levanta uma hora mais tarde a cada dia que passa.

Na realidade, a mudança das marés é ainda mais complexa, principalmente porque os oceanos não se encontram uniformemente distribuídos na superfície do nosso planeta, mas sim interrompidos pelos continentes, o horário e a altura da maré também são influenciados pela forma e profundidade dos fundos, bem como pela configuração das costas. Apesar destas implicações, e ao contrário dos outros movimentos do mar, as marés têm uma característica especial: são regulares no tempo e previsíveis.


Reflexão:
Apesar das pequenas dimensões da Lua e da sua reduzida força gravítica, esta e a Terra têm uma forte ligação gravitacional. Deste modo, influenciam-se mutuamente, uma prova desta «influência» é o efeito das marés. Este texto pretende representar isso mesmo, e explicar como este efeito funciona, juntamente com a intervenção do Sol. Por outro lado, também quer evidenciar a importância dos fundos oceânicos nas alterações destes ciclos. Na minha opinião, a relação que a Lua e a Terra possuem é extraordinária, pois combinam-se perfeitamente. Outra referência desta combinação é a conservação de rochas com idades inferiores a 3 800 M. a., que já não se encontram na Terra!!!
Fontes:
Gabbi, Giuseppe; Somaschini, Alessandra; Enciclopédia Universal; Volume 15 - Os Oceanos; Asa Editores; 2001
http://www.eunanet.net/beth/informativo/saint_michel_france.jpg

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial