BioTerra

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Investigação acerca do interior da Terra

O estudo acerca do interior da Terra esteve sempre condicionado pela impossibilidade da recolha directa de dados. Contemporaneamente as actividades investigativas baseadas em métodos directos estão relacionadas, essencialmente, com o estudo dos produtos emitidos durante os vulcões, as lavas, os piroclastos e outros materiais arrastados pelas erupções, e com as perfurações e sondagens da crusta e muito raramente do manto. Vários projectos de perfuração da crusta oceânica foram apresentados ao longo dos tempos!


O Deep Sea Drilling Project (Projecto de Perfuração dos Fundos Oceânicos) forneceu várias informações, entre os anos 1968 e 1983 a partir do barco Glomar Challenger. Actualmente, o Ocean Drilling Program reúne cientistas de diversos países, no barco laboratório Joides Resolution, apostados em continuar o levantamento das características de toda a crusta oceânica.

Apesar destes projectos de grande envergadura tecnológica, as principais linhas de investigação acerca da estrutura interna da Terra assentam em métodos indirectos de estudo, como é o caso, do estudo e análise do comportamento das ondas sísmicas no globo.
Uma das linhas de investigação mais recente recorre à técnica de tomografia sísmica. Esta técnica consiste em manipular informaticamente um conjunto de registos de ondas sísmicas que atravessaram uma determinada zona. A determinação das regiões onde os vários tipos de ondas sísmicas se deslocam com maior ou menor velocidade só é possível com a utilização de tal tipo de tecnologia!

Outras técnicas indirectas passam por simular em sofisticados aparelhos alguns processos que ocorrem no interior da Terra. É o que se passa com a bigorna de diamantes opostos, utilizada para simular as pressões existentes no interior da Terra, o que permite conhecer o comportamento dos minerais perante diferentes estados físicos.

Através do estudo dos métodos directos e indirectos foi possível diferenciar o interior da geosfera. Assim, existem dois modelos que tentam representar do interior da Terra, um deles baseia-se na composição dos materiais (modelo geoquímico), e divide a Terra em crusta terrestre, manto e núcleo, o outro faz referência ao comportamento físico desses materiais (modelo físico), diferencia a litosfera, a astenosfera, a mesosfera e a endosfera.




Reflexão:

È assim, através da análise dos diferentes modelos representativos da geosfera, que os cientistas conseguem conhecer melhor o interior do nosso planeta, compreendendo e estudando as causas de alguns dos fenómenos que ocorrem à superfície!
Desta forma, chegamos ao fim do Tema da Geologia, a partir de agora, será abordada outra unidade, a Biologia!

Fontes:
COSTA Alexandre; MATOS Jorge; GAIBINO Rui; Eco Terra, Plátano Editora; Maio 2002

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial