BioTerra

sábado, 2 de maio de 2009

Exame simples pode detectar risco de Alzheimer ainda na juventude

Um exame que detecta hiperactividade numa região do cérebro com funções vitais na memória poderá bastar para indicar se um adulto jovem corre mais risco de desenvolver Alzheimer décadas depois, podendo assim ser tratado precocemente.
Esta é a principal conclusão de um estudo realizado pela Universidade de Oxford e do Imperial College de Londres em que foi comparada a actividade cerebral de 36 voluntários com idades entre 20 e 35 anos através de imagiologia por ressonância magnética, sendo metade deles portadora do gene ApoE4, relacionado com a doença.Todos os presentes desempenharam normalmente as tarefas que lhes foram pedidas para avaliar as suas capacidades cognitivas.


Os investigadores consideram que os portadores do gene ApoE4, ligado à hiperactividade no hipocampo, têm mais possibilidades de desenvolver a doença do que os não portadores.

A descoberta poderá ser um primeiro passo para desenvolver um método simples de identificação de pessoas com mais possibilidades de desenvolver a doença quando ainda são jovens, segundo o estudo, publicado na edição de hoje da revista PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences).

Desta forma, através de um simples exame, será possível aconselhar um tratamento precoce a quem tenha um risco mais elevado de sofrer de Alzheimer.

O estudo baseou-se nas conclusões de uma investigação anterior, segundo as quais quem herda uma cópia do gene ApoE4, relacionado com a doença, tem quatro vezes mais possibilidades de a contrair. As pessoas que herdam duas cópias do gene (os genes costumam formar pares) correm dez vezes mais riscos, embora os investigadores recordem que nem todos os portadores o desenvolverão obrigatoriamente.


Hiperactividade no hipocampo

O estudo feito com os 36 voluntários assinalou que os portadores do ApoE4 registam habitualmente maior actividade no hipocampo, mesmo em repouso, do que os não portadores.

"Ficámos surpreendidos ao observar que os portadores do gene, mesmo quando inactivos, tinham a parte do cérebro relacionada com a memória mais activa do que os outros voluntários", explicou Christian Beckman, da Divisão de Neurociência e Saúde Mental do Imperial College.

A doença de Azheimer, a causa mais comum de demência, afecta entre 60 mil e 70 mil pessoas em Portugal, segundo as estimativas mais recentes.



Reflexão:

Esta descoberta poderá ser um grande passo para a tentativa de identificar os principais alvos desta doença e assim, desenvolver métodos que atenuem as consequências desta doença neurodegenerativa que é uma das causas mais comuns de demência no nosso país. Certamente, que muitas pessoas desejarão fazer o teste, e que temerão os resultados do mesmo, pois a possibilidade de ter uma doença como esta, abala a estrutura emocional de todos nós.



Fontes:

http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=30593&op=all

Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial