BioTerra

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Superfícies respiratórias

Do metabolismo celular resulta um conjunto de produtos tóxicos que tem de ser eliminados para que a constituição do meio interno se mantenha dentro dos limites da vida. São a função respiratória e a função excretora as principais através da qual se processa a eliminação desses produtos.

A hematose pulmonar consiste na troca de gases nos pulmões, para que estes sejam transportados pelo sangue até as células e suceda a respiração celular, ou seja, a troca de gases entre as células e o sangue.


A vida aeróbia que se desenvolveu há milhões de anos atrás, caracteriza hoje a maioria dos seres vivos que passou a necessitar de um fluxo constante de oxigénio para as células e da remoção eficiente do CO2 que se forma como resíduo do metabolismo.

Um sistema respiratório é um grupo de células, tecidos e órgãos envolvidos no intercâmbio de gases entre o organismo e a ambiente. As trocas gasosas realizam-se pelos processos de difusão de substâncias. As estruturas onde os gases entram e saem dos organismos chamam-se superfícies respiratórias. Nestas superfícies, as trocas gasosas podem ocorrer directamente do meio externo para as células – Difusão directa ou então os gases respiratórios podem ser transportados por um fluido circundante que faz a ligação entre o meio externo e as células – Difusão indirecta.


Todas as superfícies respiratórias tem as seguintes características:
  • apresentam-se sempre húmidas, o que permite uma difusão mais fácil dos gases.
  • são estruturas finas, na maioria dos casos com apenas uma camada de células que separa o meio interno do meio externo (epitélios respiratórios).
  • apresentam elevada vascularização
  • a sua forma permite aumentar a área de contacto entre os dois meios.

Estas superfícies respiratórias surgiram nos diversos grupos animais que variam consoante: o tamanho do organismo, a estrutura do corpo, a sua história evolutiva e a natureza do ambiente em que vivem.



Reflexão:
Nos animais o fornecimento de oxigénio às células e a remoção do dióxido de carbono é assegurado através das superfícies respiratórias. Assim, as brânquias são as estruturas típicas dos peixes, nos insectos e artrópodes o intercâmbio de gases é realizado através das traqueias e no homem através dos pulmões, entre outras. È sobre estas que nos vamos debruçar e compreender melhor o seu funcionamento.
Estes mecanismos respiratórios são uma das chaves do processo evolutivo das espécies!!!!!



Fontes:

Carpaneto, Maria Giuseppe; Enciclopédia Universal; Volume 12; Asa Editores; 2001

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial