BioTerra

domingo, 19 de abril de 2009

Transporte no xilema: hipótese da tensão-coesão-adesão

A hipótese da tensão-coesão-adesão explica a ascensão da seiva bruta desde a raiz até às folhas com base na existência de uma relação entre a absorção radical e a transpiração estomática ao nível das folhas. Constitui um dos modelos mais aceites para explicar o transporte de seiva xilémica.

Hipótese da tensão-coesão-adesão: A ascensão da seiva bruta é explicada pela dinâmica criada por dois fenómenos relacionados: a transpiração estomática a nível foliar e a absorção radicular. A energia solar é a principal responsável pela transpiração, pondo em movimento ascendente a coluna de água e solutos. Na ascensão da seiva bruta intervêm vários fenómenos sequenciais:



  • Perda de água por transpiração, ao nível das folhas (1), cria um défice de água, o que origina uma força de tensão que se transmite até ao xilema e a partir deste às células da raiz e à solução do solo, o que determina a absorção de água na raiz (3);
  • As moléculas de água unem-se por pontes de hidrogénio, devido a forças de coesão, o que vai facilitar sua ascensão em coluna (2);
  • As moléculas de água também estabelecem ligações com as paredes dos vasos xilémicos, por acção de forças adesão que vão facilitar, também, a ascensão em coluna da água (2);
  • A água ascende sob a forma de uma coluna contínua.




Reflexão:
A hipótese da tensão-coesão-adesão é a mais aceite pela comunidade cientifica, pois explicita os fenómenos de condução das seivas em árvores como as sequóias gigantes, com 115 metros de altura e 8 metros de diâmetro. É assim deste processo crucial que a maioria das plantas obtêm do solo a água e os iões que necessitam. Na próxima publicação, será referenciado o o transporte no floema.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]



<< Página inicial